20 de janeiro de 2018 - 00:48

Agricultura

24/12/2017 07:27

Agricultura familiar e agronegócio

Dois extremos que alavancam o desenvolvimento econômico e social do País

Di­an­te do ca­os que se ins­ta­lou em nos­sa eco­no­mia, dois se­to­res im­pe­dem que ha­ja uma de­pres­são mai­or que a ocor­ri­da na eco­no­mia ame­ri­ca­na, que ape­sar da  ado­ção da bri­lhan­te te­o­ria de John Maynard Keynes só veio a se re­cu­pe­rar gra­ças à eclo­são da se­gun­da guer­ra mun­di­al; são eles a Agri­cul­tu­ra Fa­mi­liar e o Agro­ne­gó­cio.

Jun­tos eles pro­pi­ci­am uma oxi­ge­na­ção da eco­no­mia, na me­di­da em que aten­dem tan­to a ca­ma­da me­nos fa­vo­re­ci­da da po­pu­la­ção quan­to a de­man­da de ex­por­ta­ção tão ne­ces­sá­ria pa­ra equi­li­brar nos­sa ba­lan­ça de pa­ga­men­tos.

Nas ci­da­des do in­te­ri­or, on­de as gran­des em­pre­sas não se ins­ta­lam de­vi­do à fal­ta de vi­são de seus ad­mi­nis­tra­do­res e prin­ci­pal­men­te pe­la es­cas­sez de mão de obra es­pe­cia­li­za­da, a agri­cul­tu­ra fa­mi­liar ge­ra ren­da e aten­de a de­man­da de uma po­pu­la­ção que não vi­ve re­fém de atra­ves­sa­do­res gra­ças ao ofe­re­ci­men­to de sua pro­du­ção nas fei­ras li­vres evi­tan­do a al­ta de pro­du­tos agrí­co­las e ao mes­mo tem­po em­pre­gan­do uma con­si­de­rá­vel par­ce­la da po­pu­la­ção e com is­so re­fre­an­do a ex­pan­são do de­sem­pre­go.

No ou­tro se­gui­men­to o agro­ne­gó­cio im­pul­si­o­na­do pe­la su­per­sa­fra re­cor­ren­te, a ex­pan­são da pe­cu­á­ria ali­a­da à bus­ca per­ma­nen­te e ne­ces­sá­ria de tec­no­lo­gia de pon­ta, im­pe­de o de­ba­cle fi­nal su­prin­do o mer­ca­do ex­ter­no e tra­zen­do dó­la­res e eu­ros pa­ra pin­do­ra­ma.

 

A guer­ra ide­o­ló­gi­ca que se ins­ta­lou no Bra­sil com a as­cen­são da es­quer­da deu ori­gem ao mai­or de to­dos os pa­ra­do­xos; uniu os ex­tre­mos, deu va­zão ao ló­gi­co, des­cons­tru­iu a guer­ra de clas­ses no cam­po e pos­si­bi­li­tou uma con­vi­vên­cia até en­tão ini­ma­gi­ná­vel en­tre o mi­cro e o gran­de pro­du­tor ru­ral, atre­lan­do a so­bre­vi­vên­cia de um ao ou­tro, afi­nal não se po­de con­ce­ber uma eco­no­mia ape­nas de ex­por­ta­ção e nem ape­nas de so­bre­vi­vên­cia, uma de­ve com­ple­men­tar a ou­tra.

O co­mér­cio em ge­ral, ga­nha sub­stan­ci­al­men­te com es­sa in­te­gra­ção, e se por um la­do a gran­de in­dús­tria lu­cra e ob­via­men­te em­pre­ga mais nas gran­des ci­da­des, por ou­tro la­do as pe­que­nas ci­da­des do in­te­ri­or tam­bém ga­nham com o for­ta­le­ci­men­to do co­mér­cio lo­cal e pas­sam a ofe­re­cer mais em­pre­gos cri­an­do o mo­to con­tí­nuo da eco­no­mia.

A nos­sa agri­cul­tu­ra é sub­stan­ci­al­men­te in­de­pen­den­te, não é sen­sí­vel às os­ci­la­ções da ge­o­po­lí­ti­ca, pois o ser hu­ma­no não vi­ve ex­clu­si­va­men­te de ide­o­lo­gia, ele ba­si­ca­men­te ne­ces­si­ta se ali­men­tar, e nes­se que­si­to re­si­de nos­so trun­fo.

A con­vi­vên­cia pa­ci­fi­ca e co­o­pe­ra­ti­va en­tre os dois ex­tre­mos da agri­cul­tu­ra pro­duz a paz so­ci­al e ali­men­ta o pro­gres­so, prin­ci­pal­men­te por­que es­sa é a nos­sa vo­ca­ção; te­mos a nos­so fa­vor o so­lo fér­til, o cli­ma, e em úl­ti­ma aná­li­se a ín­do­le pa­cí­fi­ca de nos­so po­vo.

Nes­se cal­do cul­tu­ral eco­nô­mi­co e po­li­ti­co nos fal­tam man­da­tá­rios com mais cul­tu­ra e co­nhe­ci­men­to pa­ra con­du­zir nos­sas pri­o­ri­da­des e que es­te­jam vol­ta­dos às ne­ces­si­da­des mai­o­res de nos­sa po­pu­la­ção, ad­mi­nis­tran­do com res­pon­sa­bi­li­da­de so­ci­al e eco­nô­mi­ca, tra­zen­do se­ri­e­da­de à ad­mi­nis­tra­ção pú­bli­ca, dei­xan­do de la­do te­o­ri­as es­drú­xu­las tra­zi­das de paí­ses de eco­no­mi­as dís­pa­res, de­ve­mos in­cen­ti­var o se­tor que mais con­tri­bui pa­ra nos­so de­sen­vol­vi­men­to que é a agri­cul­tu­ra; fo­men­tan­do a agri­cul­tu­ra fa­mi­liar e o agro­ne­gó­cio co­mo ir­mãos si­a­mes­es que são.


Copyright 2016 -  Todos os direitos reservados

versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo