Cidades

20/05/2018 13:10

Maio Amarelo tem demonstração de solidariedade em Tangará da Serra

 “Policial tem  cara de bravo porque precisa agir com seriedade diante das situações inesperadas. Mas o coração é igual ao da gente, de uma pessoa comum”.  Com essas palavras o trabalhador Marcos Pereira da Cruz, 41 anos, morador de Tangará da Serra, definiu o carinho e respeito que tem pela categoria. O carinho se fortaleceu ainda mais com a atitude dos policiais que arrecadaram entre si R$ 750,00 para quitar os documentos da moto, único veículo que possuiu na vida e que é usada para o transporte da esposa nas sessões de hemodiálise.

“Meu irmão doou essa moto preta, porque ele adquiriu um carro. Ele usava para ir para o sítio, mas estava parada há dois anos, bastante judiada. Consegui com algum sacrifício arrumar o motor, a rabeta (parte traseira), enfim, dar uma melhorada nela, mas faltou dinheiro para os documentos”, relatou Marcos.

Diante das dificuldades, Marcos não encontrou outra saída a não ser expor a situação aos policiais militares do 7º Comando Regional e pedir ajuda. Então, ligou para o tenente PM Gabriel Foletto, no 19º Batalhão, surpreendendo-o com a sinceridade para evitar que a moto fosse apreendida, já que depende dela para dar um transporte mais digno para a esposa. “O marido da minha mãe buscava ela, agora eu vou, assim eu posso estar mais perto dela”, disse, revelando que nunca teve um veículo, além da bicicleta. “Este é o primeiro”, afirmou.

Ao se apresentar, Marcos informou que era habilitado, mas que o documento do veículo está vencido. Ele estava a pé porque não tinha como pagar e pediu ajuda aos policiais.

O tenente se prontificou em ajudar. Por meio do WhatsApp mobilizou os colegas militares que desejavam ser voluntários contribuindo com uma cota e arrecadou a maior parte do valor e completou o que faltava para resolver o problema que  tirava a tranquilidade de Marcos. “Era um dia de trabalho normal, quando recebi a ligação do seu Marcos perguntando se tinha um tempo para falar um pouco. Aí disse que estava enfrentando dificuldades financeiras, o grave estado de saúde da esposa e que a moto era o único veículo que possuía para lidar com situação. Isso me tocou bastante, porque se  topasse  com ele na rua teria que agir, nós atuamos na aplicação da lei”, lembrou o tenente Gabriel Foletto.

O policial ainda visitou o casal. “Verifiquei que enfrentam dificuldades com a saúde da mulher. E mesmo diante de tantos problemas ele nunca abandonou a família. É uma pessoa esforçada, além do trabalho como segurança, faz bicos por fora, capina terreno, entre outras atividades. Não é uma pessoa parada, é merecedora dessa força”, frisou o policial.

A atitude dos policiais não será esquecida.  “Foi de excelência. Sempre tive respeito pela área de segurança e agora, a atitude do Pelotão, dos policiais do 7º CR, foi muito gratificante para mim. Muitos vêm a polícia com outros olhos. São homens fardados de bem, que deixam sua família para cuidar da nossa família sem saber se voltam para casa, pois não sabem o que vão encontrar pela frente quando saem para trabalhar. O espírito solidário também os envolve, demonstrando o espírito humanitário ”, frisou Marcos.

Para Foletto, foi uma oportunidade de colocar em prática os ensinamentos recebidos dos pais. "Fui criado com meus pais dizendo para ajudar o próximo sem esperar nada em troca. E fui isso que fiz, mobilizei parceiros e não esperava a repercussão que o caso ia ter”, disse explicando que não esperava a repercussão na imprensa.

Atos de solidariedade aproximam a PM do cidadão. E frequentemente os policiais se unem para arrecadar cestas básicas e aniversários de crianças. Mas vale ressaltar, que este mês, a Polícia Militar de Tangará da Serra, assim como em todo o Estado está em pleno desenvolvimento de ações de prevenção, fiscalização e orientação aos usuários das vias de trafego de veículos e trânsito de pessoas; na denominada campanha estadual Maio Amarelo, para conscientização para redução de acidentes de trânsito.

História

Há 21 anos Marcos é casado com Sônia Mara, 36 anos, com a qual tem os quatro filhos, um deles casado. Os outros  de 14, 16 e 19 anos moram com o casal. Sônia nasceu com apenas um rim e ao longo do tempo, a pressão arterial atrofiou o único rim que possuía. Ela depende de sessões de hemodiálise para viver. Há poucos meses, descobriu um tumor entre o útero e o ovário. Ela passará por um procedimento cirúrgico em Cuiabá, que já foi liberado pela Central de Regulação, falta apenas o agendamento médico.


Copyright © 2017  Notícias de Hoje -  Telefone: (65) 3358-5258 - Todos os direitos reservados.